FARÓIS E LINHAS DA VIDA

Por Jean Tinder
Editora do Shaumbra Magazine,
Professora do Círculo Carmesim

Que mês! Cheio de mais práticas do que eu sempre quis, ficando atrás da mureta, escolhendo compaixão e liberando…, liberando…, liberando.

Como a maior parte do mundo, eu acordei na manhã seguinte às eleições americanas horrorizada com a notícia. Eu tinha escolhido não assistir ao desenvolvimento da noite anterior; era apenas mais drama do que eu estava interessada e, de qualquer maneira, eu ficaria deprimida, não importando o resultado.

Mas, depois de mais uma noite de feliz ignorância, a realidade bateu e com ela veio o desgosto, a decepção e o desespero. Chega de ficar atrás da mureta! Fiquei presa na histeria junto ao resto do mundo, pelo menos por um tempo.

A coisa interessante sobre este caminho de Realização é que quanto mais tempo você passa conectado com o seu Ser, menos tempo você é capaz de ficar longe e fora da ressonância. Então eu procurei um jeito de fazer as pazes com o que estava acontecendo e, como de costume, encontrei alguns aspectos muito infelizes.

Havia partes de mim que se tornaram bastante ligadas à idéia de que o mundo está mudando – para melhor! Por décadas agora, eu me agarrei à crença de que a consciência está se expandindo, que as pessoas estão acordando, que práticas e crenças bárbaras não têm apoio no mundo “moderno”.

Mais do que qualquer coisa. Eu me confortei com o “fato” de que estamos fazendo a diferença – uma boa diferença – e então, com firmeza, olhei para a evidência. Sim, eu estava ligada a uma agenda. Eu, que sempre abracei galantemente todas as exortações de Tobias e do Adamus, eu me achei ainda querendo salvar o mundo. E, maldição, o mundo não parecia querer se salvar ainda!

Se as pessoas estivessem realmente acordando, como poderiam fazer as escolhas que estavam fazendo? Se os Shaumbra e os Trabalhadores da Luz e quem mais tem irradiado há anos, como as pessoas não poderiam ver a loucura dos velhos caminhos?

Como poderiam ainda demonizar tão facilmente seus semelhantes? Oh, trata-se de muito mais do que as eleições. Em todo o mundo eu vejo pessoas escolhendo a selvageria em vez da bondade, o medo em vez da compaixão. Como pode ser isso?

Minha falta de compaixão, ou seja, a relutância em honrar as escolhas dos outros, tornou-se incrivelmente óbvia. Ao dar uma olhada no espelho proverbial, eu encontrei toda uma porção de aspectos totalmente armados.

“Você não vê que está acontecendo de novo?”, eles gritaram.

“Lembra-se da Atlântida? E de todas as outras vezes desde então? Você nos disse que seria diferente desta vez!”

Eles estavam chamando de besteira a minha bem escondida – mas totalmente justificada – agenda. Então eu tomei uma respiração profunda, muitas, na verdade, e me lembrei que esta vida realmente não se trata de salvar o mundo.

Claro, eu adoraria que todos viessem para uma reunião feliz, mas apenas porque eu estou aqui para a minha Realização não significa que todo mundo está. Eu mesma tive que passar por um monte de porcaria animada antes de chegar a este ponto; como posso invejar alguém fazendo o mesmo?

Uma vez que está claro que um lote inteiro de seres humanos ainda está envolvido no jogo da dualidade, talvez seja hora de eu liberá-los para se divertirem e, mais importante, liberar as minhas próprias crenças (aspectos) na dualidade.

Tudo isso trouxe a clareza nítida do fato de que esta preciosa Terra é o nosso teatro. Não precisa salvar nada mais do que um filme empoeirado de uma cidade fantasma, antiga, que precisa ser salva durante um tiroteio. A Terra foi construída por essa mesma razão – para permitir que os seres brinquem com seus problemas, enigmas e dualidade quanto quiserem. E, de vez em quando, quando um (ou alguns) de nós entendeu, fazemos uma reverência, empacotamos e seguimos em frente.

Mesmo que eu tenha tido uma boa corrida, isso não significa que todo mundo está pronto para parar de brincar. Sim, gostaria que muitas coisas fossem diferentes, incluindo os resultados das eleições, mas também sou grata pela consciência ampliada e pela oportunidade de liberar uma agenda que eu nem sequer estava consciente de manter. O que me leva ao próximo ponto – liberar.

Parece que tem sido o meu tema não planejado para os últimos dois meses: liberar.

E, engraçado o bastante, eu parecia estar escrevendo para o meu próprio ser do ‘futuro’.

Nas últimas semanas, desenvolveu-se uma situação pessoal que envolve uma liberação muito profunda e inesperada. Os detalhes não são importantes, mas o fato é, é um adeus que eu não esperava, uma desconexão que eu pensei que seria desnecessária. Embora liberar idéias abstratas como “salvar o mundo” pode apresentar alguns desafios, liberar alguém que está perto e é muito querido, exige um nível totalmente diferente de confiança.

Como você bem sabe, esta vida é diferente de qualquer outra. Não importa quais escolhas nosso ser humano faz, nossa vida é guiada por um farol tão insistente que todas as outras distrações eventualmente dão lugar à sua certeza. É um farol do conhecimento inato do que estamos aqui para fazer.

E, mesmo quando o humano professa ignorância e confusão, a alma nos chama para frente, segurando a lâmpada do conhecimento apenas perto o suficiente para iluminar o próximo passo. É um holofote, aquela lâmpada, que é sem dúvida uma bênção.

Enquanto o ser humano acha que preferiria um holofote que mostre o caminho um quilômetro adiante, a realidade verdadeira, sem dúvida, nos enviaria ofegantes para o canto. Assim, embora o próximo passo possa ser tudo o que é visível, ainda é suficiente quando acompanhado por passos de confiança e um coração de permissão.

Aqui está uma maneira de pensar sobre isso.

Imagine uma roda ou esfera com raios irradiando para fora em todas as direções. Mas em vez de linhas bem ordenadas, os raios estão espalhando em todos os sentidos, torcidos e sinuosos, com inúmeras linhas menores ramificando-se em padrões cada vez mais complexos.

O centro radiante dessa esfera é a alma, o Eu Sou, e todo ramo sinuoso é uma expressão de si mesmo.

Agora, imagine que o ser humano é um pequeno toque de consciência navegando ao longo da linha atualmente em foco, tentando o seu melhor para encontrar o caminho de volta para casa. Ele pode se sentir perdido, mas na realidade, cada toque está tanto no seu caminho de volta para o centro, quanto já está lá, bem como a ponta do meu dedo está longe do meu coração, mas ainda sou eu.

A orientação da alma é o absoluto saber que ela já existe e a ignorância do toque é o foco em sua pequena linha única. O Ser coletivo já possui todos os pequenos toques em seu abraço eterno de reunião, o que significa que cada linha de vida, por mais enrolada ou confusa, ainda é governada pelo conhecimento no centro.

Portanto, não importa o quão bem (pensamos) planejamos a jornada ou quão próximo ela compartilha a linha da vida de outra, eventualmente todas as linhas de vida levam de volta ao Eu sozinho. Todo o resto eventualmente desaparece, o que torna a compaixão para com o humano tão essencial. Pois, apesar de suas melhores intenções, meu eu humano não gosta de mudança, especialmente da mudança de liberação. Então ela demora e resiste, lutando contra o inevitável e chorando com a dor.

Há outros aspectos que oferecem uma cacofonia de resistência, com medo de estar perdido e esquecido, de ter errado novamente. E ainda assim, a alma infinitamente paciente simplesmente sorri e ilumina o próximo passo e todos os outros.

De vez em quando, quando o humano se lembra de quem realmente está no comando, ele pode tomar uma respiração profunda e descansar no conforto radiante do conhecimento, em vez do sofrimento e do medo da mudança. E então ela pode finalmente permitir – permitir o sofrimento, permitir a excitação, permitir os aspectos, permitir o humano, permitir a alma e permitir a mudança. Então ela se lembra que a dor é apenas por segurar tão firmemente.

O que estou tentando dizer é que tudo está realmente bem, mesmo quando nos esquecemos; mesmo quando não podemos ver o chão sob nossos pés; mesmo quando o caminho tem voltas e reviravoltas que não esperávamos e para as quais não nos sentimos preparados; mesmo quando as escolhas dos outros se chocam com os nossos próprios desejos; mesmo quando o mundo parece ter esquecido a si mesmo.

Tudo está bem, não importa o que possa parecer ser de outra forma. Tudo está bem, porque quanto mais longe você se afasta do Ser, mais doce a reunião fica quando você volta. Assim, quando você observar o caos no mundo e se perguntar como as pessoas podem ser assim, imagine, em vez disso, o glorioso regresso a casa para o qual cada alma está se preparando.

Nos momentos inevitáveis de esquecimento, quando o humano simplesmente não pode suportar outra dor, eu encontrei algumas coisas que ajudam:


• Olhe para a vida – Observe as formas e os lugares que a vida é abundante, pois sempre é.

• Aprecie as pequenas coisas – Sempre há algo para apreciar – as cores da grama, um pedaço de torrada quente, um momento de sol, sua canção favorita, um rosto bonito. Aproveite a vida, onde quer que você a encontre.

• Vivencie a experiência – Seja o que for que você esteja sentindo, realmente sinta-a – até nos seus dedos dos pés, em seus ossos – pois esta é a paixão da alma.

• Cartas de amor – Quando você está tendo um bom dia, escreva uma nota para si mesma para ler em um dia ruim, um lembrete de que tudo está bem. Você será feliz que você tenha feito.

• Aconchegue-se com o Mestre – Você não gosta de amar, quer seja um ente querido, uma criança ou um animal de estimação? Então se aconchegue com o seu ser Mestre. Imagine os braços dele em sua volta, sua respiração em seu pescoço, seu batimento cardíaco contra o seu. E então sentir seus braços ao redor do ser humano, amando-a muito, muito.

Lembre-se, se você sentir medo, pavor, dor ou mágoa, não é o verdadeiro você. É um daqueles preciosos pequenos toques, tropeçando ao longo de uma linha de vida, pensando que tem que encontrar seu caminho de volta para casa.

Permita que essa parte de você exista, respire profundamente e mantenha o farol radiante do conhecimento.

Você encontrará o caminho de volta para você.

É inevitável. Você já está aqui.

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – http://www.decoracaoacoracao.blog.br
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – https://lecocq.wordpress.com
Tradução: Léa Amaral – lea_mga2007@yahoo.com.br
http://www.novasenergias.net/circulocarmesim/shaunews.htm

LUZ!
STELA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s