LINHAGEM DO SANTO GRAAL – Parte II

A LINHAGEM OCULTA DE JESUS REVELADA
Parte II
Por Lawrence Gardner

(Parte I aqui)

“Os relatos referem-se à estada israelita no Egito e contam seu êxodo … explicam que não foi Moisés, mas Miriam quem foi a líder espiritual das tribos que atravessaram o Mar Vermelho para o Monte Sinai.”

Na sua primeira Epístola a Timóteo, S. Paulo tinha dito que um bispo deveria estar casado e que ele deveria ter filhos, pois um homem com experiência da sua própria família está muito melhor qualificado para cuidar da Igreja.

Mas, embora as autoridades da Igreja romana alegassem defender o ensino de São Paulo em particular, optaram por desconsiderar completamente essa diretriz explícita para se adequarem aos seus próprios fins, de modo que o estado civil de Jesus pudesse ser estrategicamente ignorado.

Não obstante o celibato da Igreja, a imagem solteira de Jesus estava em desacordo com outros escritos da época do Evangelho e foi abertamente impugnada para o domínio público, e a perpetuação da verdade foi proclamada como uma heresia punível (há apenas 450 anos) – Conselho italiano de Trento em 1547 – o ano que Henry VIII Tudor morreu na Inglaterra.

É, no entanto, não apenas o Novo Testamento cristão que sofre com essas restrições sexistas. Um processo de edição similar foi aplicado ao Antigo Testamento hebraico, tornando-o convenientemente adequado para ser adicionado à Bíblia cristã.

Isto é feito aparentemente por um par de entradas que ignoraram o escrutínio dos editores.

Os livros de Josué e 2-Samuel referem-se ambos à importância do livro mais antigo de Jasher. Mas onde está este livro? Como tantos outros de igual importância, não pode ser encontrado na Bíblia!

O livro de Jasher ainda existe? Certamente que sim.

O pergaminho hebraico, de quase 2 metros, era uma joia da Corte do Imperador Carlos Magno e a tradução do livro de Jasher foi a razão pela qual a Universidade de Paris foi fundada no ano 800 – mais de um século antes da agora familiar versão dO Antigo Testamento fosse compilada.

Jasher/Josué era o mensageiro pessoal de Moisés, e os escritos atribuídos a ele são de enorme significado. Os relatos referem-se à estada israelita no Egito e contam seu êxodo em Canaã.

Mas diferem consideravelmente da versão da história que conhecemos hoje. Eles explicam que não foi Moisés, mas Miriam quem foi a líder espiritual das tribos que atravessaram o Mar Vermelho para o Monte Sinai.

Naquela época, os judeus nunca tinham ouvido falar de Jeová; eles adoravam a deusa Asherah e seus líderes espirituais eram em grande parte do sexo feminino.

De fato, Miriam colocou tal problema para Moisés na tentativa de criar um novo ambiente na dominação masculina que ele a aprisionou, e os israelitas se levantaram contra Moisés para garantir a libertação de Miriam. Isto está no livro de Jasher, mas não está na Bíblia.

Evangelhos

Vamos agora para onde a história cristã começou – para os próprios Evangelhos. E, ao fazer isso, vamos primeiro considerar o que os Evangelhos realmente nos dizem, contra o que talvez pensemos o que eles nos dizem.

Todos aprendemos o que nos ensinam sobre os Evangelhos nas salas de aula e nas igrejas.

Mas o ensino está corretamente relacionado? É sempre conforme as escrituras escritas?

Na verdade, é bastante surpreendente o quanto aprendemos com os púlpitos ou livros ilustrados sem verificar o texto bíblico.

A própria Natividade é um bom exemplo.

É amplamente aceito que Jesus nasceu num estábulo – mas os Evangelhos não dizem isso. Na verdade, não existe nenhum “estábulo” mencionado em nenhum Evangelho autorizado.

A Natividade não é mencionada em Marcos ou João, e Mateus mostra claramente que Jesus nasceu “numa casa”.

Então, de onde veio a ideia do estábulo?

Ela veio de uma interpretação errônea do Evangelho de Lucas que relata que Jesus foi “posto em uma manjedoura” (não “nascido”, como muitas vezes mal citado, mas “posto”) e uma manjedoura era, e ainda é, nada mais do que uma caixa de alimentação para animal.

Na prática, era perfeitamente comum que as caixas fossem usadas como berços de emergência e, muitas vezes, eram trazidas para dentro para esse propósito.

Então, por que tem sido presumido que esta manjedoura em particular estava em um estábulo?

Porque as traduções inglesas de Lucas nos dizem que não havia “espaço na estalagem”.

Porém, o velho manuscrito de Lucas não disse isso.

Na verdade, não havia pousadas na região – os viajantes alojados em casas particulares e hospitalidade familiar era uma forma normal de vida naqueles dias.

De fato, se realmente precisamos ser precisos, também não havia estábulos na região.

‘Stable’ é uma palavra inglesa que define especificamente um lugar para manter cavalos. Mas poucos, exceto alguns oficiais romanos, usaram cavalos na Judeia do século I – eles usavam principalmente mulas e bois que, se mantidos sob cobertura, teriam estado em algum tipo de dependência – certamente não estábulo.

Quanto à pousada mítica, o texto grego original de Lucas não diz que não havia “espaço na estalagem”. Com a melhor tradução, ele realmente afirma que não havia “provisão na sala” (isto é, “no topos kataluma”).

Como mencionado, Mateus declara que Jesus nasceu em uma casa e, quando corretamente traduzido, Lucas revela que Jesus foi colocado numa manjedoura – enquanto não há berço fornecido no quarto.

Assim como no assunto do nascimento de Jesus, nós devemos olhar a cronologia, porque os dois Evangelhos que tratam da Natividade realmente dão datas diferentes para o evento.

De acordo com Mateus, Jesus nasceu no reinado de Herodes o Grande, que debatia o evento com os Magos e, aparentemente, ordenou o assassinato dos bebês.

Herodes morreu no ano 4 aC – assim sabemos por Mateus que Jesus nasceu antes disso. De fato, por causa disto, a maioria das Bíblias, de concordância padrão, dão 5 aC como a data de nascimento de Jesus.

Em Lucas, no entanto, uma data completamente diferente é dada. Este Evangelho afirma que Jesus nasceu enquanto Cyrenius era governador da Síria – o mesmo ano em que o imperador Augusto implementou o censo nacional de impostos que levou José e Maria a ir a Belém.

Há dois pontos relevantes a mencionar aqui, os quais estão registrados nos anais judaicos do século I (como As Antiguidades dos Judeus) .Crieno não foi nomeado Governador da Síria até 6 dC, e este foi o próprio ano em que o imperador Augusto implementou o censo, que foi supervisionado pelo próprio Cyrenius.

Ter nascido em duas ocasiões distintas: “antes de 4 AC” e novamente “em AD 6”.

Há um erro em um dos evangelhos?

Não necessariamente – pelo menos não da maneira como as coisas foram originalmente retratadas. Na verdade, estamos olhando para dois nascimentos bastante específicos: o nascimento “físico” de Jesus e seu nascimento “comunitário”.

Estes foram definidos como o “primeiro” e “segundo” nascimentos – o segundo é uma iniciação na sociedade por meio de uma cerimônia ritual de renascimento.

O segundo nascimento para os meninos teve lugar aos doze anos (uma cerimônia em que eles eram novamente ritualisticamente nascidos do ventre de sua mãe).

Infelizmente, os tradutores e transcritores do Evangelho dos últimos dias perderam completamente o significado disso, enquanto que os ensinamentos subsequentes da Igreja combinaram os relatos de Mateus e Lucas em um, dando origem ao absurdo apócrifo sobre uma cena da natividade em um estábulo.

A partir do registro de que Jesus tinha doze anos no ano 6 dC (como dito em Lucas), então ele nasceu em 7 aC, que foi realmente durante o reinado tardio de Herodes, o Grande, como relatado em Mateus.

Mas agora descobrimos o que parece ser outra anomalia.

O Evangelho de Lucas diz que quando Jesus tinha doze anos de idade, seus pais, Maria e José, o levaram para Jerusalém – e caminharam para casa numa jornada de um dia inteiro com seus amigos, antes de perceberem que Jesus não estava em sua festa. Então voltaram para Jerusalém para encontrá-lo no templo, discutindo os negócios de seu pai com os curadores.

Na realidade, que tipo de pais vagariam por um dia inteiro no deserto, sem saber que seu filho de doze anos não estava com eles?

O fato é que o ponto inteiro da passagem foi perdido na tradução, porque havia uma riqueza na diferença entre um filho de doze anos e um filho em seu décimo segundo ano.

Quando um filho, ao completar seus doze anos (isto é, ao completar seu décimo terceiro aniversário) foi iniciado na comunidade na cerimônia de seu segundo nascimento, era considerado como iniciando seu primeiro ano.

Era a raiz original do Bar Mitzvah moderno. Sua próxima iniciação – a iniciação da masculinidade na comunidade – ocorreu em seu nono ano, quando tinha vinte e um anos (a raiz do privilégio dos vinte e um anos). Seguiram-se vários “graus” e o próximo grande teste foi no final de seu décimo segundo ano: aos vinte e quatro anos de idade.

É, portanto, aparente que quando Jesus permaneceu no templo em seu décimo segundo ano, ele tinha na verdade vinte e quatro anos de idade – não doze. Quanto à sua discussão com os curadores, isso seria relacionado com seu próximo grau – o grau definido por seu pai espiritual, cujo negócio ele discutiu.

Naquela época, seu pai espiritual (o patriarca em geral) era Simeão, o Essênio – e vemos, em Lucas, que foi precisamente esse homem (o “justo e devoto Simeão”) que legitimava Jesus sob a lei.

Então, podemos confiar nos Evangelhos?

A resposta a esta pergunta é “sim”, podemos confiar neles até certo ponto, mas não podemos confiar nas versões complicadas e distorcidas que são publicadas e apresentadas hoje.

Depois dos escritos apostólicos originais, os Evangelhos da Igreja primitiva foram escritos em grego característico dos séculos II e III.

Junto com a Bíblia como um todo, eles foram traduzidos para o latim da Igreja no século IV, mas foi mais de mil anos antes de qualquer tradução Inglesa ser feita.

Os Evangelhos de língua inglesa atuais remontam à Bíblia Autorizada compilada para o rei James Stuart VI da Escocia (James I da Inglaterra) no início do século XVII.

Isto foi publicado e posto em circulação não mais de 165 anos antes da Declaração de Independência dos Estados Unidos – apenas alguns anos antes que os primeiros Padres Peregrinos partiram da Inglaterra.

A tradução da Bíblia era, no entanto, um negócio arriscado naqueles dias. Por se atrever a traduzir a Bíblia para o inglês, o reformador do século XIV, John Wycliffe, foi denunciado como um herege e seus livros foram queimados.

No início do século 16 William Tyndale foi executado por estrangulamento na Bélgica, e depois queimado, por traduzir a Bíblia em Inglês.

Um pouco mais tarde, Miles Coverdale (um discípulo de Tyndale) fez outra tradução, mas, nessa fase, a Igreja havia se dividido em duas facções principais. Como resultado, a versão de Coverdale foi aceita pela Igreja Protestante, embora ele permaneceu como um herege aos olhos de Roma.

O problema era que, enquanto o texto impresso permanecesse numa forma obscura de latim, da Igreja, só os bispos podiam entender ou interpretar, e ensinar o que quisessem.

Mas se fosse traduzido em linguagens populares que as pessoas pudessem ler por si mesmas, os ensinamentos da Igreja seriam, sem dúvida, questionáveis.

É a Bíblia traduzida para o Rei James sobre a qual a maioria das edições subsequentes em inglês foram baseadas.

Mas, na prática, esta versão autorizada do século XVII não era uma tradução direta; era principalmente traduzida do grego, em parte do latim e, em certa medida, das obras de outros que haviam feito traduções ilegítimas anteriormente.

Em sua interpretação do Novo Testamento, os linguistas do rei James tentaram apaziguar tanto os protestantes quanto os católicos. Esta era a única maneira de produzir um texto geralmente aceitável, mas sua ambição não foi inteiramente bem sucedida.

Os católicos pensavam que os tradutores estavam se juntando aos protestantes e tentaram explodir o rei James nas casas do Parlamento (o famoso Pólvora), enquanto os protestantes sustentavam que o rei estava aliado aos católicos!

As traduções não se preocupavam apenas com o apaziguamento das denominações; elas também tentaram algo que hoje chamaríamos de “politicamente correto”.

Em um caso, a tradução direta se referia a um grupo de pessoas chamadas “soldados celestiais”, mas isso foi oprimido e “exército celestial” foi inserido. Foi suprimido novamente (uma vez que o conceito de uma unidade armada não era aceitável) para ser substituído por “hoste celestial”.

O problema era que ninguém sabia exatamente o que era uma “hoste”; a palavra tinha sido ressuscitada após séculos de obscuridade para entrar nos dicionários da época com a vaga descrição: “muita gente”.

Na verdade, é bastante surpreendente quantas palavras ambíguas foram trazidas de volta ao uso para facilitar a correção política para a Bíblia do Rei James, enquanto, ao mesmo tempo, William Shakespeare estava fazendo o mesmo em suas peças.

Na verdade, o vocabulário de língua inglesa foi aumentado em mais de cinquenta por cento como resultado de palavras inventadas ou trazidas de volta da névoa do tempo pelos escritores do período.

Assim, embora eminentemente poética, a linguagem da Bíblia Inglesa Autorizada é bastante diferente daquela que já foi dita por qualquer pessoa na Inglaterra ou em qualquer outro lugar, mas, a partir dessa interpretação canônica aprovada, todas as outras Bíblias de língua inglesa surgiram em suas várias formas.

Entretanto, para todas suas falhas e seu teste padrão lindamente projetado do verso, permanece o mais próximo de todas as traduções dos manuscritos gregos originais.

Todas as outras versões anglicizadas (Standard, New English, Revised, Modern, Good News, etc.) foram significativamente corrompidas e são bastante inadequadas para um estudo sério porque cada uma tem sua própria agenda específica.

Uma versão extrema de como isso funciona na prática é encontrada em uma Bíblia atualmente publicada em Papua, no Pacífico da Nova Guiné, onde existem tribos que experimentam familiaridade com nenhum outro animal: somente o porco.

Na edição atual de sua Bíblia, cada animal mencionado no texto, seja originalmente um boi, leão, burro, ovelha ou qualquer outra coisa, é agora um porco. Até mesmo Jesus, o tradicional “cordeiro de Deus”, nesta Bíblia é “o porco de Deus”!

Para facilitar a melhor confiança possível nos Evangelhos, devemos voltar aos manuscritos gregos originais com suas palavras e frases usadas frequentemente em hebraico e aramaico.

A este respeito, descobrimos que (tal como acontece com a história da Natividade) uma boa parte do conteúdo relevante tem sido deturpada, mal interpretada, mal traduzida ou simplesmente perdida no relato.

Às vezes isso aconteceu porque as palavras originais não têm contrapartida direta em outras línguas.

CONTINUA…

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – http://www.decoracaoacoracao.blog.br
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – https://lecocq.wordpress.com
Por Lawrence Gardner, Karenlyster.com
http://www.karenlyster.com/body_bookish1.html
Tradução Vilma Capuano – vilmacapuano@yahoo.com.br
Grata Vilma!

LUZ!
STELA

Anúncios