LIBERANDO A MATRIZ, UMA NOVA NOVELA

1º CAPÍTULO
Através de Suzanne Lie
14 de Junho de 2018

ENCONTRANDO O DIÁRIO

Quando retornei da Europa, fui ao local de repouso da vovó com um enorme buquê de suas flores favoritas. No entanto, enquanto eu chegava cada vez mais perto de seu “lugar de descanso”, eu sabia que não seria capaz de encarar seu túmulo, então me virei para o outro lado, longe do cemitério e longe do que restava do corpo da minha avó.

Então, depois de alguns meses morando na casa da vovó, eu finalmente estava pronta para ir ao seu local de descanso final. Fiquei muito tentada a me afastar novamente, mas depois me lembrei da visão dela em um corpo de ouro, o que me dava grande conforto. Além disso, queria agradecer-lhe por todo o dinheiro que ela me deixara.

Eu ainda me pergunto como uma mulher mais velha que nunca parecia ter um emprego poderia ter tanto dinheiro. Meus pais tinham sido muito comedidos com o dinheiro que me deram e disseram que era porque meu internato era muito caro. Mas, mais tarde, soube que minha avó pagou por toda a minha educação, incluindo o internato.

Quando eu estava no colégio, descobri que vovó estava pagando pela minha educação. Eu tentei muitas vezes perguntar a vovó como ela podia se dar ao luxo de me dar todo esse dinheiro, mas ela sempre dizia: “Não se preocupe, querida. Tudo está sendo cuidado. ”

Eu nunca descobri o que ela quis dizer com “tudo está sendo cuidado”, mas anos depois ela ainda foi capaz de deixar uma boa quantia depois que ela faleceu. Foi esse dinheiro que me permitiu ir para a Europa e ainda não ter que trabalhar por um bom tempo.

Felizmente, eu era inteligente o suficiente para conseguir um bom gerente para administrar o dinheiro deixado, ou eu poderia ter investido meu dinheiro como meus pais sempre fizeram. Estou agora matriculada na pós-graduação, a qual não começará por alguns meses.

Eu tomei essa decisão, então eu teria que ir para a pós-graduação, mas eu teria mais tempo livre, o que incluía concentrar minha atenção em cuidar da “minha” casa, no grande quintal e explorar o “sótão trancado” que vovó nunca me deixara entrar.

Na verdade, ela até se recusou a falar sobre o sótão, o que lhe deu uma sensação tão grande de mistério que me fez nele querer entrar ainda mais. Então, outro dia eu estava vasculhando algumas caixas na despensa e encontrei uma chave que dizia: “Sótão” sobre ela.

Você pensaria que eu iria instantaneamente correr e entrar no sótão, mas agora que eu poderia entrar, eu estava com medo. Vovó não era uma mulher tímida, então quando ela nunca permitiu que eu entrasse no sótão, meu eu infantil inventou todos os tipos de histórias sobre que coisas misteriosas estavam acontecendo no sótão.

Como adulta, eu sabia que essas histórias não podiam ser verdade, mas o medo que minhas histórias criavam ainda permanecia dentro de mim. Então, novamente, eu encontrei muitas razões pelas quais eu estava “muito ocupada” para explorar o sótão e coloquei a chave em um “lugar seguro”, o que inconscientemente me fez esquecer.

Assim que percebi que estava deixando meu medo tirar o melhor de mim, comecei minha busca para “encontrar a chave”. Claro, procurei na casa durante meses e não consegui encontrá-la. Então, finalmente, um dia, eu estava com pressa de ir a um encontro e não consegui encontrar o colar que eu queria usar.

Na minha pressa, virei a caixa de jóias de cabeça para baixo para jogar tudo na minha cômoda. E, então, para minha surpresa, a chave caiu da minha caixa de jóias. Eu imediatamente reconheci a chave e corri para a porta do sótão. Mas quando cheguei à porta, fiz uma pausa.

Por que eu estava com tanto medo de entrar naquele sótão? Fazia muitos meses que eu vivia muito feliz nesta casa. “Não havia razão para meus sentimentos”, eu disse a mim mesma inúmeras vezes. Durante dois dias, tentei me convencer a abrir a porta do corredor e subir a escada até o sótão.

Então, eu tive outro sonho com a vovó em seu Corpo Dourado. Tudo o que ela disse foi: “Não tenha medo meu amor.” Ela poderia ter a intenção de dizer algo diferente da chave, mas assim que eu acordei coloquei um jeans e uma camiseta, peguei a chave no fundo da minha caixa de jóias, e me dirigi para a porta do sótão.

Subi os degraus íngremes até a porta do sótão e lá fiquei por muito tempo e, finalmente tive coragem de colocar a chave na fechadura. Eu estava quase esperando que a chave não se encaixasse, mas ela se encaixou perfeitamente. Na verdade, também era como se a chave se transformasse.

Eu tentei não refletir sobre essa sensação estranha, já que eu já tinha mais adrenalina do que precisava. A porta se abriu tão facilmente quanto a chave girou. “Isso é estranho”, eu disse a mim mesma. Poderia até se pensar que uma chave tão antiga não funcionaria tão facilmente em uma porta tão antiga.

Eu não percebi que a janela alta em direção ao topo da casa era para o sótão, mas lá estava, com o Sol brilhando em uma pilha particular de papéis velhos. Como tudo o que aconteceu até agora era surrealista, decidi olhar para aquela pilha de papéis, primeiro.

Eu cuidadosamente movi os papéis soltos e encontrei um manuscrito encadernado logo abaixo deles. Era como se aqueles papéis tivessem sido colocados ali para esconder ou proteger o manuscrito encadernado, que eu cuidadosamente peguei. Quando abri o manuscrito na primeira página, encontrei uma introdução, que irei compartilhar palavra por palavra. Foi escrito por uma pessoa chamada Shara Lynn.

Na verdade, o manuscrito era um diário e foi escrito por alguém chamado Shara Lynn. Tenho certeza de que minha avó recebeu este diário, que acabou se tornando mais como um livro, em uma das muitas livrarias antigas que ela adorava ir. Era este o livro que ela sempre parecia estar procurando?

Lembro-me de ir com ela a muitas livrarias antigas e da alegria de vasculhar as pilhas de livros antigos em busca do misterioso livro que vovó sempre procurava. Eu me pergunto se o livro que acabei de encontrar é o que ela sempre procurava?

Eu acho que nunca vou saber a resposta para isso. No entanto, se eu lesse o livro, eu poderia obter algumas pistas sobre o que minha avó estava fazendo. Foi então que comecei a chorar silenciosamente. Até então, eu tinha empurrado minha tristeza para um lugar seguro até que eu estivesse pronta para visitá-la.

Mas, enquanto eu pensava na lembrança de olhar através de velhas livrarias com a vovó, procurando por algo que ela nunca compartilhou comigo, de repente eu estava cheia de grande tristeza por perdê-la. Então, quando me lembrei de todos os momentos maravilhosos que passei com minha amada avó, comecei a soluçar incontrolavelmente.

Finalmente, com minhas lágrimas, consegui abrir cuidadosamente o livro antigo para descobrir o que havia dentro. Para minha surpresa, o livro foi na verdade escrito por uma pessoa chamada Shara Lynn, e era seu diário pessoal.

Quem era essa Shara Lynn e como minha avó conseguiu seu diário? “Bem”, eu disse a mim mesma: “Você não irá descobrir até levar o livro para o andar de baixo e começar a lê-lo.”

Graças a Deus, o “eu prático” assumiu antes do “eu pesaroso” e “o eu mais solitário do que eu pensava que alguém poderia ser” assumiu. No entanto, antes de entrar mais em meus próprios problemas, quero compartilhar o primeiro capítulo com você.

“Espere! Quem é esta? Eu pensei. Por alguma razão, o nome Shara Lynn ficava correndo em minha mente. “Quem é esta Shara Lynn, e por que ela continua vindo à minha mente?” Eu gritei para ninguém.

Mais uma vez, senti uma emanação. NÃO, tenho certeza de que era a essência da voz doce da minha avó dizendo: “Leia o livro, querida. Eu o deixei aqui para você”.

Agora eu estava realmente assustada ao ouvir minha avó responder aos meus pensamentos. No entanto, percebi que ela estava respondendo a todos os meus pensamentos desde que ela havia falecido. (Eu não suporto dizer a palavra “morreu”.)

Acho que a razão pela qual abri o livro e comecei a lê-lo foi me distrair da minha tristeza. Eu sempre amei um bom mistério, e isso era, de fato, um mistério. Portanto, peguei o livro com firmeza em minhas mãos, saí do sótão, desci as longas escadas e tranquei a porta novamente.

Por que eu senti a necessidade de trancar a porta, e por que eu “escondi” a chave do sótão na minha caixa de jóias novamente? Agora sou capaz de perceber que eu estava, de fato, seguindo alguma forma de “orientação superior”, mas eu nem tinha conhecimento desse termo naquela época.

Mesmo com a chave de volta na minha caixa de jóias e o manuscrito, ou era um livro, recuperado e esperando ao lado da minha cama, nem sequer o abri durante alguns dias que me lembre.

Por que eu estava tão assustada com este manuscrito? Mas talvez não fosse qualquer “manuscrito”? E se tivesse algo que eu não quisesse saber?

“PARE”, eu disse a mim mesma.

“O que poderia ser tão “assustador” sobre o que provavelmente seria o diário da vovó?

Eu estava prestes a descobrir.

Suzanne Lie

(Continua….)

INTRODUÇÃO

Compartilhe com Ética mantendo todos os créditos
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
https://www.decoracaoacoracao.blog.br/
https://lecocq.wordpress.com
http://suzanneliephd.blogspot.ca/
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Grata Regina!

LUZ!
STELA

Anúncios